Jogando banco imobiliário no campeonato mundial de banco imobiliário em Las Vegas

8 lições sobre dinheiro que eu já deveria ter aprendido ao jogar Banco Imobiliário

4 minutos

por Renato Martins

escrito em 18 janeiro 2012

Eu já tinha jogado banco imobiliário quando criança – do tempo que não tinha cartão de débito no jogo – desde então nunca mais joguei, até que no último fim de semana recebi um convite para jogar com uns amigos e achei uma boa. Fui. Acabei me dando bem pelas lições que tirei (logo abaixo), ao contrário do que aconteceu no jogo onde eu quase quebrei. 🙂

Antes de continuar… por que você deve se importar com esse post?

O Banco Imobiliário (Monopoly, em seu nome original) foi criado em 1935 e é o jogo mais vendido do mundo! Foi traduzido para 25 línguas, distribuído em 80 países e jogado por mais de 500 milhões de pessoas!! E isso não é à toa. A lógica do capitalismo é evidente nele, o que pode poupar alguns anos de perrengues financeiros na sua vida real se você enxergar o que precisa.

Mas vamos lá então…

1ª lição: Todo mundo quer ganhar (até eu que não estava muito afim de jogo)

Parece um pouco óbvio isso, mas a simplicidade dessa lição foge até mesmo aos olhos mais observadores. A empolgação de quem está indo bem no jogo (e o desânimo de quem está indo mal) é perceptível tanto no jogo quanto na vida real.

2ª lição: Uma volta no tabuleiro do banco imobiliário é igual a 1 ano da vida real

Mesmo que se receba o dinheiro de alguns aluguéis, ações, renda de salário, etc., a cada rodada que se passa sem fazer grandes movimentos – seja por medo, comodismo ou por querer buscar a estabilidade – é uma rodada a mais em que seus gastos médios aumentam mais do que sua renda média, ou seja, você conserva menos dinheiro, que é igual a ficar mais pobre, que igual a aproveitar menos as oportunidades que o jogo oferece.

Jogando banco imobiliário no campeonato mundial de banco imobiliário em Las Vegas
Vencedor do Campeonato Mundial de Banco Imobiliário faturou US$ 20,5 mil

3ª lição: Ações são boas para iniciantes, mas há coisas melhores por vir

Na versão que joguei, além dos tradicionais terrenos onde você pode construir casas e hotéis, havia também a possibilidade de comprar ações das empresas Vivo, Fiat, Nívea, Postos Ipiranga e TAM Viagens (uma ótima jogada de marketing, não é mesmo?). Mas continuando…

As ações oferecem rendimento acima da média quando você ainda tem um patrimônio pequeno no jogo e são um ótimo exemplo de como você cria dinheiro sem ter dinheiro, mas não se apegue demais a elas. Para quem sabe ver, há investimentos com rentabilidade melhor no mercado.

4ª lição: Investir é uma questão de sobrevivência a longo prazo

Essa questão parece ser óbvia no jogo, mas não tanto na vida real. A verdade é que muitos dizem: “Não invisto porque não tenho dinheiro”. Eu sempre respondo: “Na verdade, para ter dinheiro você tem que, necessariamente, investir”.

5ª lição: Conheça as regras do jogo

Por mais que seja um jogo de dados, eu quase quebrei não foi por azar, foi por desconhecimento de regras básicas do jogo e falta de experiência no mapa.

6ª lição: Lidar com pessoas é um ponto chave

Querer comprar um título de propriedade de um outro jogador (para melhorar seus negócios construindo casas e hotéis, no caso do jogo) não significa que você vai conseguir. O interesse de ambas as partes está em jogo.

Uma alternativa é fazer uma troca onde ambos saiam ganhando, outra é esperar uma crise do mercado (ou melhor, do adversário). De qualquer forma, lembre-se da lição 2.

Banco imobiliário: expectativa X realidade

7ª lição: Cuidado com as bolhas do mercado

É muito fácil inflacionar o mercado. Basta um infeliz não querer te vender alguma coisa por algum motivo que só Deus sabe, que rapidinho as propostas de compra vão aumentando a cada rodada até que, sem perceber, você está comprando no ápice dos preços.

8ª lição: Divirta-se

Essa soa a mais clichê de todas, mas é uma lição séria, muito séria. Eu sempre penso comigo mesmo: se eu não consigo lidar bem com as perdas num jogo fictício, como eu vou conseguir lidar bem com as perdas reais?

Além do mais, o jogo é um aprendizado gigantesco onde você pode aprender anos a frente na sua vida em apenas uma ou duas horas de diversão com os amigos, com os filhos, com os pais e por aí vai.

É hora de aproveitar essas lições para tirar as suas próprias conclusões (e compartilhar as que você já tirou aqui conosco!). Que tal convidar a família e os amigos para um jogo e de quebra descobrir o que seu pai ou seu filho sabem sobre dinheiro?

Para mais dicas, siga-nos no Twitter: @goldmapNews

Autor

Renato Martins

Renato Martins é cofundador do goldmap e um eterno estudante do tema "finanças pessoais". Ele é formado em Sistemas de Informação pela PUC Minas e em Administração pela ETFG. Busca escrever no blog do goldmap principalmente sobre como gerenciar as finanças pessoais de forma saudável e eficiente.

Outros artigos que você pode gostar...

5 comentários

  • Lucca Mordente

    Que tipos de investimentos e a partir de quando eles são mais interessantes que investir na bolsa?
    Comecei a estudar um pouco sobre o funcionamento do mercado de ações e estou pensando em fazer algum curso pra poder investir. O que vcs acham desse mercado?
    Abraço!

    • Fala Lucca, tudo bem?
      Muito boas as suas perguntas e melhor ainda a iniciativa de fazer algum curso para poder investir. Você já tem familiaridade com algum tipo de investimentos? Com quais? (até poupança vale)

      • Lucca Mordente

        Fala Renato.

        Tenho sim. Atualmente tenho uma graninha aplicada no CDB, mas fui por indicação da gerente mesmo. Isso já tem um tempo e na época não tinha muito interesse por procurar a forma mais rentável e ao mesmo tempo divertida de investir.

        Nesses últimos tempos tenho lido um pouquinho sobre a bolsa e me empolguei, por isso estou querendo fazer um curso.

        Tentei até brincar no Folha Invest, mas sem base é meio complicado hehe.

        Essa semana descobri que no site da Bovespa tem alguns materiais educacionais interessantes pra quem quer começar a investir. Então estou começando por lá e depois devo partir pra um curso.

        • Obrigado pelo comentário Lucca!

          Essa pergunta q te fiz é importante pelo seguinte: Há uma diferença considerável entre a renda fixa (CDB, por ex) e a renda variável (bolsa) quanto ao comportamento das pessoas na hora de investir. Na renda fixa, há uma tendência natural da gente ser um pouco mais desleixado.

          Particularmente, eu gosto muito da bolsa de valores. Justamente pq a renda variável é muito dinâmica e te força a aprender e a se capacitar. Caso contrário, você perde dinheiro (e muito). No final da história, ao se capacitar, sua visão melhora muito até para os investimentos de renda fixa. O que é ótimo!   (:

          Você até me disse por email há alguns dias que leu esse post: http://blog.goldmap.com.br/2011/11/quero-investir-o-dinheiro-que-esta-sobrando-por-onde-comecar/, certo? No caso da bolsa de valores o “3º passo: Pense em percentuais e não em valores absolutos” é fundamental! Dê muita atenção a ele!!

          Além do conteúdo educacional no site da Bovespa (q é mto bom), para fazer um curso rápido de ações fique atento nas corretoras de ação de sua cidade (sempre tem mini-cursos gratuitos).

          Outra coisa: Você conhece o evento Expomoney? http://www.expomoney.com.br/. Já se cadastre lá para o que for mais perto de você pq vale à pena!

          Abs.
          Renato.

        • Fala Lucca… blz?

          Estava relendo alguns artigos e relembrei-me da sua dúvida quando li esse http://blog.goldmap.com.br/2011/11/inss-%E2%80%93-uma-sigla-para-isso-nunca-sera-suficiente-parte-22/, já leu? O que achou?