Quais as melhores práticas ao organizar seus gastos pessoais

9 minutos

por Diego Menezes

escrito em 18 maio 2012

É hora de avançarmos para a coluna da direita no seu orçamento doméstico matador. Neste artigo vamos ver qual é a melhor maneira de organizar os gastos pessoais dentro do seu orçamento.

Para isso vamos seguir um simples passo a passo que será de grande ajuda para quem já tentou por diversas vezes começar um orçamento pessoal e se viu depois de pouco tempo desistindo.

No final do artigo, você será um verdadeiro mestre na arte de conseguir tirar máximo proveito do seu dinheiro. Mas antes de tudo é sempre importante lembrar:

Um orçamento não é gastar menos. É gastar melhor.

1º Passo: O que não fazer

Não separe seus gastos por semelhança.

Quando você começou seus orçamentos anteriores, provavelmente, buscou na internet como fazer, testou planilhas e programas e sempre se deparou com a famigerada “organização por semelhança”. Agrupe tudo de habitação aqui, separe os gastos de lazer ali. Soa familiar?

Então! Essa falsa organização pode ser a grande responsável pelo insucesso da suas tentativas anteriores.

Ao organizar desse jeito você tem um trabalho gigantesco, já que TODOS os gastos precisam ser tratados da mesma forma, quando na verdade eles têm naturezas diferentes e demandam cuidados diferentes.

E ainda tem as complicações inerentes, como a situação em que um gasto aparentemente pertence a várias categorias, por exemplo os gastos relativos ao transporte para um show: eles devem ser alocados para transporte ou lazer? O resultado final não te ajuda a pensar em melhores maneiras de usar o seu dinheiro.

No final das contas, com todo esse trabalho, você apenas saberá que gastou R$1.000,00 em habitação, R$500,00 em lazer e por aí vai. Convenhamos, em quê essa informação sozinha é útil? Você talvez diga que assim poderá saber para onde o seu dinheiro foi. Tudo bem, mas veja o próximo passo…

2º Passo: Planejamento

Como diria Claude Bristol:

“Pare de olhar para trás. Você já sabe onde esteve. Você precisa saber para onde vai. Acostume seus olhos a mirar o futuro.”

Nunca vá direto para o controle financeiro ou você inevitavelmente irá falhar.

Todo o trabalho que você se propõe a fazer precisa de um motivo para a ação. Você precisa saber porque está começando: pode ser conseguir comprar a tão sonhada casa própria, trocar o carro, garantir a educação dos seus filhos, atingir a independência financeira ou mesmo passar o mês com segurança. Pode ser qualquer coisa.

É imprescindível que você saiba porque está começando a fazer um orçamento doméstico. Com isso em mente fica fácil medir, ao final de um período, se você obteve sucesso ou não. Se não, você precisa ser capaz de rapidamente tomar uma decisão esperta para corrigir o rumo em direção aos seus objetivos.

Planejar significa que você não vai começar o mês perguntado para onde foi o seu dinheiro do mês anterior. Ao invés disso você vai perguntar: Como EU quero gastar o meu dinheiro?

3º Passo: Entenda os seus gastos

Via de regra recebemos nosso salário uma vez por mês, mas nossas despesas definitivamente não tem esse padrão. Nossos gastos variam quanto a frequência que pode ser mensal, semanal, anual, diário, pode ser também um gasto esporádico, enfim, o dinheiro está o tempo todo voando dos nossos bolsos.

Dinheiro voando

O modo que o dinheiro sai do nosso bolso também se caracteriza em relação a sua precisão. Temos gastos fixos, como a prestação de um carro e também gastos variáveis, como a conta do supermercado.

Eu já falei que organizar os gastos por semelhança não é a melhor maneira, mas o que você vai fazer agora é tirar proveito de um pouquinho de cada uma dessas características dos gastos em favor do seu orçamento.

4º Passo: Organize

Agora que você já sabe porque está fazendo o seu orçamento e entende as características dos seus gastos vamos organizá-los de modo que facilite o seu planejamento e o rápido controle financeiro.

Você já sabe quais os benefícios de organizar sua renda pessoal em 3 tipos diferentes e já tem sua renda organizada, certo? Tem certeza? Olha olha, hein!? Então é hora de vermos como você vai gastar toda essa fortuna que você tem em mãos e, para isso, você vai organizar os gastos no seu orçamento em 5 grandes categorias:

  • Gastos na fonte
  • Gastos comprometidos
  • Gastos do dia a dia
  • Gastos atípicos
  • Investimentos

Veja o que colocar em cada categoria:

Gastos na fonte: É hora de Dar a César o que é de César. Aqui não tem para onde fugir! O leão (Saiba o porque o Leão é símbolo do Imposto de renda) e outros mordem nosso dinheiro antes mesmo dele chegar em nossas mãos.

Coloque aqui o INSS, IRPF, Desconto do plano de saúde, descontos de vale transporte e todo os outros.

Gastos comprometidos: Aqui vão entrar todos os gastos que tem uma data de vencimento certa, geralmente mensal, que você já se comprometeu a pagar, como por exemplo: academia, as contas de água e luz, a prestação do carro, a mensalidade da escola.

Gastos do dia a dia: Essa é uma categoria bem especial no seu orçamento. Nela estão todos os pequenos gastos feitos ao longo do dia. É aqui que você vai garantir o seu lazer e bem estar! Como os gastos são pequenos e frequentes é aqui também que muita gente acaba se perdendo e ganhando uma bela dor de cabeça.

Superfluos

Aquele cafezinho com os amigos se for algo que você preze, com certeza absoluta deve estar planejado aqui. Bem como a balada com os amigos e um passeio com os filhos. A sua tarefa aqui não é cortar os supérfluos e sim estar preparado para eles.

Aqui também entram os gastos corriqueiros, como um ida a farmácia, alimentação diária, o combustível, entre outros.

Gastos atípicos: Aqui entra tudo o que não era esperado no mês. E acredite: gastos irão aparecer aqui. No começo essa categoria estará bem populada (se prepare para isso!), mas a medida que você for conhecendo melhor seu orçamento a tendência é que ela fique praticamente zerada.

Aqui vale lembrar que a revisão do carro, a troca de pneus, a substituição de um forno microondas de 15 anos de idade não são gastos atípicos. Veja ao seu redor o que pode estar para estragar e se planeje para a substituição se for o caso.

E por último e definitivamente não menos importante estão os…

Investimentos: Pague a si mesmo primeiro, pague si mesmo primeiro, pague a si mesmo primeiro, pague a si mesmo primeiro.

Entendeu que é para pagar a si mesmo primeiro?

Investir não serve só para guardar o dinheiro, mas também para multiplicá-lo. Comece com pouco, mas comece. Pode ser até com a poupança (já entendeu as novas regras da poupança?). Todo mês guarde um pouco do seu dinheiro e faça isso no começo do mês antes de qualquer outro compromisso. Deixe o seu lado racional no comando desse dia e com o restante do dinheiro deixe o lado emocional se esbaldar. 🙂

Sua caminhada para a independência financeira começa aqui.

Depois de organizado, o seu orçamento ficará parecido com esse modelo:

5º Passo: É hora de fazer o executado bater com o planejado

É aqui que essa forma de organizar o orçamento mostra a que veio.

Depois dos gastos planejados e organizados, é hora garantir que o orçamento seja realmente seguido. E aí vem a sacada mais interessante da história… Observe que das nossas 5 categorias é possível controlar 3 em apenas 1 único dia:

  • Gastos na fonte: Esse dinheiro sequer chega em nossas mãos, mas é importante tê-los anotados.
  • Investimentos: Devem ser sua primeira ação assim que você recebe, se possível deixe programado no banco uma transferência automática.
  • Gastos comprometidos: basta somar seus valores e separar o dinheiro para os dias de pagamento.

Dica #1 – Se você conseguir colocar os vencimentos de todas essas contas no mesmo dia, você irá cuidar da maior parte do seu orçamento em apenas 1 dia.

Dica #2 – Limite seus gastos comprometidos em até 60% do seu orçamento ou ele se tornará inflexível ao ponto de não suportar nenhuma surpresa, podendo trazer grandes dores de cabeça.

Repare bem! Nesse momento já pegamos a suas receitas e descontamos os gastos comprometidos, os investimentos e os gastos na fonte. É com o valor que sobra que vamos trabalhar daqui pra frente. Cuidamos de boa parte do orçamento em um único dia e estamos agora preparados para gastos que podem nos trazer grandes prazeres (ou grande dor de cabeça, se você desconsiderá-los).

Os gastos do dia a dia são os gastos que realmente merecem nossa atenção e com o seu orçamento organizado você pode facilmente ver quanto dinheiro você realmente tem para eles e de maneira fácil.

Para os gastos atípicos basta um estado de atenção e como dito na dica lá de cima nada de alocar todo o seu dinheiro em gastos comprometidos, é essa a sobra de caixa que vai cobrir os gastos atípicos e com isso te proporcionar noites de sono tranquilas.

6º Passo: Aprimore

Essa é a melhor maneira que eu vejo de começar a organizar os gastos pessoais. Quando você terminar o seu primeiro orçamento ele não será o definitivo. Longe disso! Alguns erros irão acontecer e isso é normal. Você vai mês a mês melhorando esse primeiro orçamento até o ponto que ele se tornará à prova de falhas. Sem dúvida alguma os benefícios já aparecem no primeiro mês e só aumentam com o passar do tempo.

Conte comigo, Diego e todo o restante da equipe do Goldmap (o Renato) nesse processo. Utilize os comentários, nos mande email, fique à vontade.

Próximos artigos

Vamos entrar em detalhes sobre cada uma dessas categorias de gastos pessoais mais a frente. Veja as previsões para os próximos artigos:

Por que você deve se importar com os descontos no seu salário?
Publicado dia: 22/jun!
Os 5 passos para ter consciência dos limites nos gastos pessoais do dia-a-dia
Publicado dia: 12/jul!
Quais os erros mais comuns no planejamento dos gastos comprometidos?
Publicado dia: 05/ago!
Como fazer dos gastos atípicos gastos previsíveis e controláveis?
Publicado dia: 09/set!
O que é acumulação de capital e as 3 estratégias mais usadas
Publicado dia: 24/jan!

Autor

Diego Menezes

Diego é cofundador do goldmap. Os artigos escritos por ele cobrem planejamento, gestão de economias, além de dicas e boas práticas para lidar com as finanças. Ele é graduado em Sistemas de Informação pela PUC Minas e torcedor do Cruzeiro.

Outros artigos que você pode gostar...

27 comentários

  • Pingback: O que é uma renda atípica e as 3 melhores formas de usá-la()

  • Pingback: Como fazer um orçamento doméstico matador | Finanças pessoais | Blog do Goldmap()

  • Denis Campezano

    Perfeita explicação. Apesar de saber da importância de um bom controle financeiro e gostar muito de Excel, eu já tentei controlar várias vezes, mas sempre me perco nos controles.

    Envio imagem da planilha que estava criando nesse momento da forma “tradicional”, mas vou mudar conforme a explicação. Só estou tentando fazer de uma forma que possa conferir a qualquer momento o saldo de cada conta.

    Desculpem-me pela imagem enorme e torta, é só pra ter uma idéia dq estou falando.
    Como vcs inserem os dados?
    Da forma que eu coloquei no exemplo, como um “livro caixa” ?
    Ou diretamente no orçamento?
    E os gastos que ocorrem todo dia como alimentação no trabalho por exemplo? Soma na mão e coloca em uma única célula?

    Obrigado por expor esse ótimo ponto de vista.
    Denis

    • Olá Denis, tudo bem!? Muito boa a sua pergunta. Ela será tema de um artigo inteiro em breve.

      Mas já vou te adiantar. Lembra desse post que o Renato te sugeriu há algumas semanas? http://blog.goldmap.com.br/2012/02/dica-rapida-para-seu-dinheiro-carnaval/ Vi pela imagem que você já colocou alguma coisa desse conceito na sua planilha naquela parte “Disponível” lá embaixo, certo? Legal!

      O segredo é justamente juntar o modelo do orçamento doméstico matador (o seu planejando) com a ideia de acompanhar saldos (o seu executado).

      Então, em um aba da sua planilha estará seu “Orçamento” separado *por mês*. Em uma OUTRA aba você acompanha os “Saldos” das suas contas umas duas vezes *por semana* (segunda-feira e sexta-feira são bons dias pra isso).

      Tá vendo que uma você acompanha por mês e a outra aba vc acompanha por semana? É aí que está a grande sacada.

      Você não precisa de um “livro caixa” anotando tim por tim. Você só precisa acompanhar semanalmente os GASTOS DO DIA A DIA com a variação dos saldos. E os demais gastos, você só precisa marcar como “pago” direto na tabela do orçamento do mês (afinal, eles tem um dia certo para acontecer).

      Abraços Denis, caso tenha ficado alguma dúvida é só perguntar.

      PS. Sua imagem nem está tão torta assim rsrsrsrsr!

      • Denis Campezano

        Oi Diego.
         
        Nunca tinha pensado dessa forma. Sempre tentei anotar tudo e nunca consegui passar do 3º mês. rs
        Preciso mudar meus conceitos, aguardo ancioso os próximos capítulos.
        Pelo que entendi, GOLDMAP é um projeto de controle financeiro, certo? Irá funcionar online? Já sabem o custo para o usuário final?

        Um abraço e obrigado pela explicação

        • É isso mesmo Denis, estamos colocando todos esses pensamentos em uma ferramenta online.

          O Goldmap deve facilitar bastante a inserção dos dados dentro do controle, além de oferecer uma melhor maneira de conferir a qualquer momento sua situação financeira

          Ele deve ficar pronto já no mês que vem. Em breve espero poder te mostrar e ouvir sua opinião sobre ele.

          Quanto ao preço nós ainda não fechamos o valor, mas será cobrada uma pequena mensalidade para a utilização que vai encaixar nos seus “Gastos comprometidos” direitinho :).

          Muito obrigado pela participação!

          Abraços, Diego.

  • Denis Campezano

  • Denis Campezano

    ué, não estou conseguindo postar imagens

  • MINDO

    Diogo, boa tarde

    uma vez li que se vc recebe 1000 e gasta 900 é uma pessoa rica, se for ao contrário vai para a ´ruína.e que o segredo é receber mais do que gasta e aplicar a diferença com sabedoria, sempre tendo um objetivo.
    nunca me acostumei com controles orçamentários porque como vc mesmo diz é muito dificil prever o realizado, o segredo deve ser então reservar antes de começar a gastar, ou seja como o IR, ou FGTS, na fonte mesmo. estou certo?

    • Olá Mindo, é exatamente isso.

      Dentro da sua cabeça ocorre diariamente uma grande guerra entre seu lado emocional e seu lado racional. Heheheheh

      O seu lado racional sabe que é muito importante poupar dinheiro para o futuro.

      Já o seu lado emocional não liga muito para o futuro, ele quer tudo e quer agora.

      Você precisa deixar o seu lado racional falar mais alto uma vez no mês, assim que você receber o seu dinheiro, caso você deixe para o final do mês o seu lado emocional provavelmente já terá gasto todo o seu dinheiro.

      Agora Mindo além de guardar esse dinheiro é muito importante dominar bem suas finanças. Ter esse domínio é o que irá garantir que o seu lado emocional possa ser saciado de maneira sustentável.

      Duas perguntinhas rápidas:

      Das vezes que você tentou controlar suas finanças como você fez?

      E  porque você desistia e com quanto tempo?

      • MINDO

        sou controlado.
        tenho uma grana em renda fixa(poupança) imexível. e gosto de aplicar em ações via fundos, ocorre que quando chega o cartao de credito, pago integralmente e lá se vao minhas economias.pelo menos centralizo quase tudo no mesmo dia de vencimento.
        hj tenho via fundos, vale, petrobras, cielo e bradesco.porque é pouco e não compensa ser em ações devido as taxas de custodia.
        aposento daqui ha 8 anos e quero ter nao uma vida de luxo, mas pelo menos manter meu padrao atual, tenho previdencia privada pela fundação da empresa que não tem tx carregamento.
        estou no camino certo?

        • Olá mindo, pelo seu comentário você está sim no caminho certo.

          Você mantém dinheiro na poupança com grande liquidez o que é ótimo em casos de emergências e busca maiores rendimentos em investimentos um pouco mais sofisticados.

          O conjunto de opções que você construiu para suportar sua vida pós trabalho me parece sim muito interessante.

          Agora para saber se já é o suficiente para manter o seu padrão de vida, você precisa ver se a rentabilidade média dos seus ativos gera mensalmente o valor que você deseja. 

          Você pode dar uma olhada nesse artigo e ver com mais clareza em que fase dos investimento você está, e se você precisa de mais aportes nos seus ativos. http://blog.goldmap.com.br/2012/04/por-que-voce-deve-se-importar-3-fases-investimento-longo-prazo/

          Abraços Diego!

  • Pingback: Por que você deve se importar com os descontos no seu salário?()

  • Pingback: Por que você deve se importar com as 3 fases do investimento de longo prazo?()

  • Aline Moura

    Ola! adorei conhecer o blog, cada post faz aumentar meu interesse sobre finanças pessoais. Parabéns!!

    A partir de maio do ano passado, comecei a me dedicar a este assunto: pesquisando, lendo, fazendo controle financeiro… Comecei por planilhas, depois utilizei a ferramenta Organizze e agora estou usando o Meu Dinheiro. No final do ano, até arrisquei fazer um planejamento financeiro para 2013. Apesar de sentir uma melhora de lá pra cá, ainda tenho períodos de aperto e o planejamento se perdeu rsrs. Tenho muito o que aprender, estou longe de ter um ATIVO e uma renda trabalhando por mim. Mas quero chegar lá! Metas: começo por passar o mês em segurança e reduzir os gastos com cartão de crédito.

    Descobri, há uma semana, o Goldmap. Mas antes de testá-lo, optei, primeiro, por ler os artigos da série “Como fazer um orçamento doméstico matador”. Então, surgiu uma dúvida na organização dos gastos.

    Ao organizar nesse modelo, onde coloco os gastos com Cartão de Crédito? Lembrando que, atualmente, utilizo o cartão para gastos comprometidos (como assinaturas: ferramenta financeira; locadora online;) e gastos previstos (lazer; saúde e higiene; roupa). Atualmente, utilizo o aplicativo Meu Dinheiro justamente pela possibilidade de organizar os cartões. Como aplicar nesse modelo do Gold map?

    Agradeço muito se puderem me ajudar.

    Abraços e sucesso!!!

    • Olá Aline!

      Que bom que você gostou do Blog do Goldmap! Você começou um planejamento para 2013 e já desistiu com 21 dias? Hehe… Não se preocupe! Ainda está em tempo de arrumar as coisas.

      🙂

      Suas metas são interessantes. “Passar o mês em segurança” é um benefício que você pode alcançar ao fazer um orçamento, visto que ele é sua visão de futuro, ou seja, você já planeja onde cada R$1,00 seu vai antes mesmo do mês começar.

      Suas dúvidas sobre o cartão de crédito foram muito boas!

      Para responder suas perguntas vamos alinhar uma coisa que as pessoas confundem muito. Cartão de crédito NÃO é um item que entra no seu orçamento. Cartão de crédito é apenas um **meio de pagamento** de seus gastos ‘comprometidos’ e ‘do dia a dia’ previamente planejados no seu orçamento mensal, ok?

      Planeje seus gastos no orçamento do Goldmap para caber dentro do mês, independentemente da forma de pagamento. Depois disso vem o **acompanhamento** e é só aí que o cartão de crédito (um meio de pagamento) entra na história.

      Esse método dentro do Goldmap é super simples (inclusive para acompanhar gastos com o cartão de crédito com eficiência). Nele, o seu maior trabalho será simplesmente anotar o saldo já gasto no seu cartão uma ou duas vezes por semana. Com a oscilação de saldos de uma semana pra outra, o Goldmap irá te ajudar a casar as diferenças de saldos com os itens planejados no seu orçamento do mês.

      Mas não se preocupe! A próxima série de posts aqui do blog vai entrar firme no tema “acompanhamento das finanças”.

      😉

      Se você ainda tiver mais dúvidas, fique à vontade em perguntar que responderemos com todo prazer!

      Um abraço,

      Diego.

      • Aline Moura

        Muito Obrigada pelo retorno! Não desisti não, apenas me perdi rsrsrs. Mas quero me organizar novamente.

        Então, acho que entendi sua explicação sim, mas terei certeza mesmo quando começar a testar o método. Começarei em breve e aí deixo depois aqui meus comentários e novas dúvidas que deverão surgir, ok!?

        Abraços e obrigada mais uma vez pela ajuda.

        Aline.

  • Fala pessoal!

    Hoje parei pra dar uma lida em vários posts de uma vez só.
    BTW, parabéns pelo trabalho de vocês!

    Uma dúvida que eu tenho é a seguinte:

    Um microondas que está pra estragar, ou uma troca de pneus, onde devem se encaixar?
    Achei que coube melhor nos gastos comprometidos, mas ainda não me senti confortável categorizando.
    Trocar o pneu do carro tudo bem, dá pra planejar, mas a troca de um forno de microondas também seria um gasto comprometido?

    É um pouco mais difícil prever a troca de um eletrodoméstico do que a manutenção de um carro.

    Como vocês categorizariam esse gasto?

    Abraços!

    • Olá Lucca, obrigado pelo comentário e pelo elogio! 🙂

      Categorizar em gastos comprometidos é uma possibilidade, mas antes de encaixá-lo nesse bloquinho, dê uma olhada nesse post: http://blog.goldmap.com.br/2012/09/como-fazer-dos-gastos-atipicos-gastos-previsiveis-controlaveis/ (especialmente os gastos atípicos de grau 3). Você já tinha visto esse artigo?

      Abraços,
      Diego.

      • Sim sim, li ele também.

        Se eu fosse categorizar este gasto no Goldmap, o melhor lugar pra ele seria nos atípicos então?

        No final das contas, o que importa é se eu realmente estou ciente de que vou ter aquele gasto uma hora ou outra, certo?

        Pra questões de relatório por exemplo, se eu colocar dentro de gastos atípicos, vai parecer que sou descontrolado hehe.

        Já se eu colocar em comprometidos, sinto um pouco errado, porque eu não sei exatamente quando ele vai acontecer, nem tem uma periodicidade bem definida.

        Entendeu meu ponto?

        Valeu Diego!
        Abraço

        • Então cara, é isso mesmo! O importante é que você esteja sempre atento para evitar grandes furos no caixa.

          Caso você consiga antever a quebra e queira juntar a grana para trocar quando necessário, você pode se comprometer a criar um fundo especifico.

          Você também pode muito bem esperar a quebra do aparelho e comprar um novo com dinheiro da sua reserva de emergência, sendo assim você irá colocar esse item como gasto atípico e recompor sua reserva um pouco mais a frente.

          Um Abraço.
          Diego

  • Pingback: Como acompanhar as finanças pessoais de forma simples e matadora()

  • Leonardo Malvão Geraldi

    Boa tarde!
    Eu recebo o meu salário dividido em 2, dia 12 o vale (40% do bruto), e dia 27 o pagamento ( o restante menos os descontos), dúvida como planejar um orçamento sendo que ele está dividido, no começo e fim do mês?

    Parabéns pelo Blog.

    • Boa tarde, Leonardo! Tudo bem?

      Quanto a organização, coloque as duas entradas de forma separada dentro do orçamento. Ex. “Salário” e “adiantamento” ou “vale”.

      E lembre-se, você deve se importar com os descontos.

      http://blog.goldmap.com.br/2012/06/por-voce-deve-se-importar-os-descontos-seu-salario/

      No caso do planejamento, basta olhar dentro do seu orçamento as datas de vencimento dos gastos e garantir que você não gaste antes do dia 27 mais do que você recebeu no dia 12 (isso caso você não tenha nenhuma reserva).

      No mais, o planejamento é feito da mesma forma, apenas não gaste mais do que você é capaz de fazer no mês.

      Abraços.
      Diego.

      • Leonardo Malvão Geraldi

        Tudo bem, e você? O que eu fiz, foi fazer uma média do que eu ganho no mês, por “dias”, assim quando chegasse no dia 28 por exemplo, eu teria que ter um valor X para passar os 15 dias restantes, eu achei a melhor maneira, o que vocês acham?. Quem recebem tudo no 1º dia, fica mais fácil planejar, mas no meu caso, eu acho mais complicado, porque eu vou ver os descontos só no fim do mês, então eu fiz essa média mensal. Por favor me mandem sugestões, desde já agradeço.

        • Tudo bem, sim! Esta pode sim ser uma boa solução, mas talvez você possa simplificar um pouco as coisas.

          Se você souber ou tiver uma boa estimativa de quanto vai receber, o fato de o pagamento ser feito uma única vez ou em dois dias diferentes no mês não é o mais importante para o planejamento.

          Isto por que você deve se planejar ANTES do mês começar. Você vai pegar o total de entradas e escolher (alocar) onde ele será gasto.

          Você só precisa garantir que no final das contas, você gaste seu dinheiro com as coisas que você quer (ou que precisa) e garantir que o total gasto não seja maior do que você é capaz de fazer.

          Lembre-se de separar um pouco de dinheiro para os gastos atípicos.

          http://blog.goldmap.com.br/2012/09/como-fazer-dos-gastos-atipicos-gastos-previsiveis-controlaveis/

          Lembre-se também de não deixar que os gastos comprometidos tomem uma parte muito grande do seu orçamento.

          http://blog.goldmap.com.br/2012/08/quais-os-erros-mais-comuns-planejamento-dos-gastos-comprometidos/

          E se tiver mais dúvidas, vamos conversando! 🙂

          Um abraço,

          Diego.

      • Leonardo Malvão Geraldi

        Obrigado Diego, valeu pelas dicas.

        Abraços.

  • Pingback: Gastos na fonte | Central de Suporte Goldmap()

  • Pingback: Gastos atípicos | Central de Suporte Goldmap()

  • Cristian

    Achei simplesmente fantástica a forma de gerenciar as finanças. Fácil e intuitivo, porém tenho algumas dúvidas. Sou PJ, e lanço algumas NFs no mês. O gerenciamento da conta PJ é perfeito, não tenho a mínima intenção de mudar, mas quando a coisa passa para a pessoa física, não consigo me achar. O seu artigo deu uma luz. Enfim, o que eu faço alguns gastos que comigo acabam caindo na pessoa física:

    Saúde: Não tenho plano de saúde, mas possuo seguro de vida e seguro doença (divido em 12 parcelas) => Onde posso colocar essa despesa?
    Transporte: Por questão de comodidade, uso a pessoa física para todos os gastos possíveis. São R$350,00 mês de combustível. Isso fica melhor em gastos do dia-a-dia mesmo?
    E gastos como seguro do carro, IPVA, IPTU vão aonde?

    Parabéns pelo trabalho.

    Abraços!

    • Oi Cristian, obrigado pela perguntas. Fico bastante feliz que você tenha achado a forma de organizar as finanças simplesmente fantástica 🙂

      Os gastos como: seguro de vida, seguro do carro, IPVA e IPTU, devem ser organizados dentro de gastos comprometidos. Todos esses gastos tem uma data especifica para pagamento, mesmo quando se trata de uma parcela de um gasto maior. Outro detalhe é que nenhum desses gastos permitem “manobras” eles precisam ser pagos ou multas, juros ou suspensão de serviços podem ocorrer.

      Agora para o combustível, o ideal é mesmo o bloquinho de gastos do dia-a-dia, já que você vai no posto mais de uma vez ao mês e em cada uma dessas idas você pode colocar um valor diferente.

      Resumindo. Se existe uma data para o vencimento e você não pode deixar de pagar é gasto comprometido. Agora se você faz o mesmo gasto algumas vezes ao mês e pode ajustar o valor ai é gasto do dia-a-dia.

      Abraços! Diego.

  • Luis Fernando Marones

    Olá! Primeiramente, gostaria de elogiar as dicas dadas por vcs. De fato, elas lançam uma luz sobre o gerenciamento da vida financeira. Entretanto, tenho uma dúvida – não sei se já foi perguntado, perdoe-me se já – sobre a classificação de algumas despesas. Por exemplo, se eu usar o cartão de crédito para alguns gastos do dia a dia, como uma compra na farmácia ou supermercado, um lanche etc., como devo classificar essas despesas? Do dia-a-dia ou comprometidas, umas vez que terei de pagá-las no dia do vencimento da fatura do cartão?
    Desde já agradeço!

    • Oi Luis, valeu pelo comentário!

      Encare o cartão de crédito apenas como um meio de pagamento. A classificação das despesas deve ser feita no orçamento normalmente, independentemente do meio de pagamento. No caso das compras feitas no cartão, planeje-as no mês em que você FEZ a compra e NÃO no mês em que você pagará a fatura do cartão. Esse tipo de planejamento assemelha-se (embora não seja exatamente igual) ao regime de competência contábil e é uma forma bem mais esperta de planejar seus gastos no seu orçamento mensal de forma a não ter furos.