9 erros graves e comuns no controle financeiro pessoal

9 erros graves e comuns no controle financeiro pessoal

5 minutos

por Renato Martins

escrito em 25 junho 2014

Para fechar a série de posts que ensinou como acompanhar as finanças pessoais de forma rápida e precisa, eu preparei uma lista de nove erros comuns que acontecem com as pessoas ao tentar criar e manter uma rotina de controle financeiro baseada em controle de saldos.

Os cinco primeiros erros acontecem especificamente no acompanhamento das finanças. O restante são erros que ocorrem no planejamento, e que por sua vez, irão impactar também no acompanhamento.

Dos erros que vou citar agora, será que você comete algum? Vamos descobrir! 😉

No acompanhamento das finanças

Susto com a fatura do cartão

1º erro: Não entender o fluxo do cartão de crédito

O cartão de crédito é o produto financeiro com maior potencial de escancarar sua falta de habilidade ao acompanhar as finanças. Abaixo estão as duas principais causas que impedem você de entender e acompanhar o fluxo do dinheiro movimentado via cartão de crédito da maneira correta:

  • Comprar as coisas no cartão de crédito acreditando que se tem 40 dias para pagar;
  • Acumular parcelas de múltiplas compras sem pensar no impacto que isso terá nos orçamentos futuros.

Se algum dos dois pensamentos acima refletem a forma como você age, recomendo (re)ler sobre como controlar o cartão de crédito baseando-se em saldos e também as melhores práticas para compras parceladas no cartão.

2º erro: Errar na frequência ideal de controle para você

No controle financeiro baseado em saldos, não é necessário o acompanhamento diário das finanças. Duas vezes por semana é o suficiente. Tentar atualizar seu controle financeiro mais do que isso, pode ser trabalhoso de mais. Atualizar menos do que isso, pode ser negligência de mais.

Se ainda tiver dúvidas, veja nesse link mais detalhes sobre a frequência ideal para acompanhar as finanças pessoais.

3º erro: Atualizar saldos no controle financeiro com o saldo do internet banking não atualizado (ou não processado)

Se, ao iniciar uma conciliação de saldos, o saldo de sua conta bancária disponibilizado pelo internet banking ou o saldo devedor do cartão de crédito não estiverem processados, podem ocorrer erros ou enganos na sua conciliação.

No caso específico do saldo das contas bancárias, isso raramente acontecerá. Já no caso do saldo devedor do cartão de crédito, não se pode dizer o mesmo. Por tanto, fique alerta quanto a essa possibilidade para evitar erros no seu acompanhamento financeiro.

4º erro: Manter a reserva de emergência na conta corrente

Lembra da reserva de emergência de 6x seus gastos mensais? Mantê-la na mesma conta em que você movimenta dinheiro pode te induzir a queimá-la num momento de impulso.

Organize-se para manter essa reserva em um local diferente da sua conta corrente, mas que possa ser rapidamente resgatado quando necessário (por exemplo, em uma conta poupança vinculada a sua conta corrente).

5º erro: Querer comprar tudo e hoje

Está aí um erro que pode atrapalhar tudo o que foi planejado no início do mês. Para evitá-lo, sempre verifique seu controle (orçamento + controle de saldos atualizado) antes de sair de casa para um lugar potencial de consumo, tais como, shoppings, feiras, bares, passeio com os filhos, etc.

Pessoa com bolso vazio
Erro comum no controle financeiro: Querer gastar tudo e hoje

No planejamento das finanças

6º erro: Enxergar todos os gastos da mesma forma

Os gastos tem características diferentes e precisam ser tratados de forma diferente.

Esforce-se para entender bem a diferença dos bloquinhos 5 e 6 do seu orçamento (gastos do dia-a-dia e gastos comprometidos, respectivamente). Não prestar atenção nessa diferença é um erro que pode lhe custar um acompanhamento de finanças chato e demorado, no qual você terá que anotar cada pequeno gasto.

7º erro: Não ter noção de como estimar os gastos do dia-a-dia

É a noção de quantas vezes por semana você precisa encher o tanque de combustível do seu carro ou quanto você gasta por final de semana com lazer que irá permitir a você estimar e planejar bem o bloco de gastos do dia-a-dia do seu orçamento mensal, e logo, fazer um acompanhamento tranquilo e rápido via conciliações de saldos.

8º erro: Dar atenção somente aos gastos e não às receitas

Pare de achar que você faz um simples “controle de gastos” e entenda que você faz um planejamento financeiro que inclui dar atenção também às formas que você faz dinheiro (ou seja, suas receitas) e a rendimentos de investimentos que você possa vir a ter.

Falei um pouco sobre isso neste post.

9º erro: Desconsiderar ou desconhecer os gastos invisíveis

Orçamento pessoal com renda menor do que as despesas

Para fechar a lista, pense que toda vez que você compra um ativo bom, espera-se que ele lhe gere alguma renda. Toda vez que você compra um ativo ruim ou um passivo, ele carrega consigo vários gastos invisíveis que vão detonar seu orçamento pessoal no longo prazo e, com isso, a tentativa de manter o acompanhamento em dia não vai ser NADA empolgante!

Se você não faz nem ideia do que seja um ativo ou um passivo, sério mesmo, leia esse post: O Pai Rico Pai Pobre em prática no seu orçamento doméstico.

É só isso?

Ufa! Sim!

Com o fim da segunda série de artigos do blog do Goldmap (que se encerra com esse artigo que você lê), você já é capaz de planejar e de acompanhar as finanças pessoais regularmente, sem anotar gasto por gasto, anotando apenas saldos, de uma forma rápida e precisa.

Os 9 erros comuns listados acima são uma forma muito boa de você avaliar o quão maduro está o seu acompanhamento financeiro. Use-os para descobrir quais pontos você está bom e em quais você precisa melhorar. Além disso, conhecer os prováveis erros que você poderá se deparar, o ajuda a manter firme a rotina de controle financeiro.

Encerramento

Para encerrar, eu tentei criar uma imagem que resumisse todo o conteúdo dos posts da série atual e ela ficou assim:

Fluxo para criar e manter uma rotina de controle financeiro pessoal baseado em saldos

Espero que os artigos da série tenham contribuído para seu amadurecimento ao lidar com seu dinheiro.

Sucesso com a evolução da suas finanças! E… até a próxima!

Autor

Renato Martins

Renato Martins é cofundador do goldmap e um eterno estudante do tema "finanças pessoais". Ele é formado em Sistemas de Informação pela PUC Minas e em Administração pela ETFG. Busca escrever no blog do goldmap principalmente sobre como gerenciar as finanças pessoais de forma saudável e eficiente.

Outros artigos que você pode gostar...

4 comentários

  • Henrique Mollo

    Muito bom!

    Estava cometendo o primeiro erro, mas agora estou entendendo melhor como funciona o cartão. Ansioso para o próximo artigo!

    • Legal, Henrique! É isso mesmo, vá lendo cada dia um pouco, pois capacitar-se no assunto finanças pessoais é um investimento que pode te trazer ótimos resultados.

  • Carlos Pires

    Olá, desde Portugal.

    Em que “bloquinho” se deve registar a fatura do cartão de crédito?

    • Oi Carlos, muito boa a sua pergunta.

      Bom, a fatura do cartão de crédito NÃO deve ser registrada em nenhum bloquinho do orçamento, e ao mesmo tempo, ela estará registrada em todos eles. Calma! Rs… eu vou explicar.

      O que acontece é que a fatura do cartão de crédito não é o gasto em si. O quê você comprou com o cartão de crédito que é o gasto. O cartão de crédito é apenas um meio de pagamento.

      Vamos supor que você usou o cartão de crédito nesse mês para:

      – Abastecer seu carro: R$ 80,00
      – Usou para lazer no final de semana por duas vezes, o que deu ao todo: R$ 95,00
      – E comprou um presente para a namorada: R$ 100,00

      Ficou mais fácil imaginar onde cada gasto será alocado agora? Cada gasto deve ser alocado no bloquinho correspondente. Provavelmente, você deve ter um item “Lazer” no bloquinho de Gastos do dia-a-dia e outro chamado “Combustível” dentro do mesmo bloco. No caso do presente, você pode criar um item no bloquinho de Gastos atípicos chamado “Presente para namorada”. E assim vai…

      Lembre-se que essa distribuição é feita durante cada conciliação de saldos semanal (atualização de saldos), não é necessário aguardar a fatura do cartão chegar para fazer isso. Quando a fatura chegar (num total de R$ 275,00), já estará tudo devidamente alocado no seu orçamento.

      Esse comportamento facilita (e muito) a manutenção do seu orçamento saudável (positivo) e gastos feitos via cartão de crédito sob controle. No momento em que a fatura chegar, você com certeza terá dinheiro para quitá-la integralmente.

      Por favor, deixe-me saber se posso ajudá-lo em mais algum detalhe.

      Um abraço,
      Renato.

  • Pingback: Cartão de crédito: Melhores práticas para compras parceladas - Blog do goldmap()

  • Pingback: Como acompanhar as finanças pessoais de forma rápida e precisa - Blog do goldmap()